Páginas

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Daniel Boaventura sem camisa

Dudu Azevedo de bermuda exibindo o corpitcho na praia

Parece que a bundinha tá apertadinha na bermuda....

Bananas Detective: Ator de Passivone tá namorando um bilionário mineiro



Pronto, falei: Galã de 'Passione' namora bilionário mineiro

Um galã de “Passione” está namorando um bilionário mineiro que adora dar festas badaladíssimas. O ricaço saiu do armário no ano passado chutando a porta! Pronto, falei.

Fonte: Jornal Extra

Jogador Roger de sunga na praia

Jonatas Faro de sunga na piscina

Quem quer brincar de cavalinho?

Quando ele entra em cena em "O Melhor do Brasil", fica difícil conter os suspiros. No palco, ele arranca gritinhos da plateia e até das convidadas. Não. Não se trata de Rodrigo Faro, o apresentador da atração. O furacão em questão é Paulo Henrique Morais, de 31 anos, popularmente conhecido como Paulão Cavalo. O apelido, segundo ele, é por conta do seu tamanho: ele mede 1,92 m. "Os outros modelos que faziam o programa eram mais baixos. Quando eu entrei, as pessoas se espantaram com meu tamanho", lembra. A diferença na altura foi um prato cheio para Marcos Dutra, sonoplasta do programa. Sempre que Paulão entrava em cena, a frase "esse homem é um cavalo" era ouvida. Com o tempo, o profissional reduziu a vinheta para "cavalo". E o novo nome pegou.

O contrato de Paulão Cavalo com a Record é recente e só termina em dezembro de 2011. Mas essa não é a única profissão do rapaz, que também é ator. Ele também trabalha fazendo striptease na festa "Show Bar", que acontece em São Paulo. Foi de lá, aliás, que ele saiu direto para a TV, há três anos. "Os produtores foram gravar uma reportagem no 'Show Bar' e me convidaram para participar do programa como modelo. Fui ficando e a minha participação foi aumentando gradativamente. Agradeço a oportunidade a toda equipe, principalmente à diretora, Rita Fonseca", analisa ele, que começou a desfilar com 23 anos.

Trabalhar com Rodrigo Faro é uma honra para Paulão. "Rodrigo é um dos maiores comunicadores do Brasil. Fora do palco, ele é um molecão que se transforma em um grande parceiro quando estamos em cena. Somos amigos dentro e fora do programa", conta.

Paulão Cavalo lembra exatamente da primeira vez que se viu na TV, em 2007. "Levei um susto! Ali, descobri que a televisão engorda muito. Estava com 110 quilos, mas parecia muito mais", rememora o assistente de palco, salientando que agora pesa 103 graças a muita disciplina. Para manter a barriga de tanquinho que povoa o imaginário de muitas mulheres, Paulão faz musculação quatro vezes por semana e um pouco de aeróbica. Além disso, ele cuida -e muito- da alimentação. "Vivo de dieta. Tenho que comer filé de frango, suco light e salada. Cortei sal, açúcar, carboidrato e gordura. Mas o que eu gosto mesmo de comer é bife, ovo e churrasco", afirma.

O assistente de palco admite que a fama conquistada em "O Melhor do Brasil" mudou sua vida pra melhor: "Hoje eu trabalho todos os dias. Quando não estou na Record, estou no 'Show Bar' ou trabalhando como modelo". Nas ruas, senhoras e crianças formam o público que o assedia. "Elas gostam das brincadeiras que são feitas no palco e vêm falar comigo. É uma delícia esse reconhecimento", avalia.

No 'Show Bar', as mulheres também o reconhecem. Quando isso acontece, Paulão jura que age com naturalidade. "É uma balada hetero e de vez em quando a mulherada me chama de Cavalo. As pessoas têm o maior carinho do mundo", diz o assistente, que tem namorada: "Namoro há dois anos e ela é uma pessoa muito bacana, mas não queria falar o nome dela". Segundo ele, a namorada "misteriosa" entende o ofício do bonitão. "É claro que ninguém gosta de ver uma pessoa dando em cima do seu namorado. Mas a gente não chega a brigar por causa disso", minimiza ele.

Na opinião de Paulão, embora a fama tenha trazido mais propostas de trabalho, ela não foi capaz de mudar sua essência. "Sou um cara muito simples. Nasci em uma cidade muito pequena, no interior de São Paulo", conta Paulão, que foi para a cidade grande há dez anos em busca de uma boa oportunidade de emprego. Os pais do rapaz são aposentados e cuidam da chácara que a família mantém em Manduri, onde o assistente de palco nasceu.

Veja, abaixo, as medidas de Paulão Cavalo:
Altura: 1,92 m
Peso: 103 quilos
Manequim: 44
Terno: 5
Sapato: 43


Fonte: Uol

Fernanda Montenegro se lança na música POP

Depois da apresentadora Hebe, a atriz Fernanda Montenegro resolveu se lançar na carreira de cantora!

Veja a seguir os hits pop cantados por Fernanda Montenegro:

Jesus Luz de sunga vermelha

Governo Brasileiro vai transformar crianças em homossexuais.

O Deputado Federal Jair Bolsonaro alerta os pais: Governo quer transformar o seu filho em homossexual! :o

O Ministério da Educação tem o projeto de lançar um material contra a homofobia, que segundo ele isso transformaria em um passe de purpurina e mágica as criancinhas em homossexuais! OOoohhh :O


Será que eles não conseguem fazer um raciocínio lógico simples? Eles são héteros, machões, e nunca em um devaneio louco eles transariam com um do mesmo sexo! Ou eles conseguem transam com uma pessoa do mesmo sexo, hein? Então, isso é para poucos, se nasce e não se transforma.

Somos mutantes, estamos um grau acima da evolução humana, não fazemos mais parte dessa condição imperfeita chamada homo sapiens, somos like x-mens! rsss... Brinks!

Vani já disse sobre o que acha dessas pessoas que tem preconceito contra GLS!

A seguir o texto que nos enviou o leitor Daniel Lélis:


QUEM PREGA O ÓDIO, PATROCINA A VIOLÊNCIA!


A agressão sofrida recentemente por jovens gays na Avenida Paulista, em São Paulo, e o atentando sofrido por um homossexual depois da Parada LGBT do Rio de Janeiro, diferente do que muitos pensam ou julgam, não correspondem a fatos isolados. Muito pelo contrário. Na verdade, constituem e representam o que acontece com uma freqüência retumbante de Norte a Sul do Brasil. O que todos eles têm em comum? São consequências de uma doença social chamada homofobia. São reflexos do ódio gratuito e da aversão a homossexuais. Patologia que em 2010, segundo dados do GGB – Grupo Gay da Bahia, matou 198 homossexuais em todo o país.

Diante da repercussão dada pela mídia aos atos de violência das últimas semanas contra gays, veio à tona o debate em torno da necessidade ou não de uma lei que criminalize a homofobia em todo o Brasil. O PLC/122, que torna crime a violência contra os LGBT brasileiros, já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e espera aprovação do Senado Federal. Os religiosos fundamentalistas têm anunciado o apocalipse caso isso aconteça. Para eles, sua liberdade de expressão e religiosa estaria comprometida com a proibição da discriminação contra homossexuais. Alegam que padres e pastores poderão ir parar na cadeia caso façam críticas a homossexualidade. Trocando em miúdos, os líderes religiosos temem a lei porque querem continuar tendo o direito de ofender, humilhar e demonizar os homossexuais. A interpretação que fazem do PLC, contudo, não poderia ser mais equivocada.

O PLC/122, diferente do que apregoam os seus opositores, não faz proibição da crítica, nem muito menos pune a opinião de A ou de B. Seu objetivo é outro, qual seja proibir a DISCRIMINAÇÃO e punir a manifestação do PRECONCEITO. Visa o Projeto de Lei dar ao homossexual aquilo que todo ser humano tem direito e o Estado tem dever de garantir: respeito à sua integridade física e moral. Os religiosos homofóbicos se negam a entender dessa maneira e, sob o pretexto de defender as suas convicções religiosas, querem ter o direito de incitar, promover e abençoar o ódio contra os homossexuais. Querem ter o direito de chamar o homossexual de safado, imoral, filho do demônio, pedófilo. Falam em nome da liberdade de expressão, cuja relatividade é notória, mas querem mesmo é ter a liberdade de pregar despudoradamente o preconceito em suas congregações.A despeito das discussões, a verdade é que, infelizmente, a homofobia continua matando centenas de pessoas todos os anos. E como afirmou em nota a ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), “a pregação religiosa que ataca os homossexuais acaba por legitimar atitudes de ódio.” Quem não se lembra de Alexandre Ivo, menino de apenas 15 anos, que foi brutalmente assassinado em junho por um grupo de skinheads simplesmente por ser homossexual?! A violência não se justifica. A sua promoção, de igual modo, não pode continuar legitimada pelo Estado, que, diga-se, é laico, sem religião oficial, não podendo favorecer o entendimento de determinados grupos religiosos.

Ninguém é obrigado a aceitar o homossexual. Respeitá-lo, porém, é um dever de todos. Inclusive de padres e pastores. Ou seria respeitoso dizer que um gay é uma aberração da natureza, um pecador que queimará para sempre no fogo do inferno, como fazem muitos deles?! Ora essa, claro que não. Usar como desculpa a liberdade de religião e expressão para instigar o ódio contra as minorias sexuais, arrisco dizer, além de ser DESRESPEITOSO, contraria aquele que vem a ser o maior mandamento de Deus: ‘amar o próximo como a si mesmo’.


Daniel Lélis (@dannlelis)*

Graduando em Direito, militante gay (GIAMA-Grupo Ipê Amarelo pela Livre Orientação Sexual/TO) e colunista da revista JFASHION (@jfashion).