Páginas

quinta-feira, 10 de março de 2011

Jogador Pato sem camisa na final da partida

Armando Babaioff diz que faria cena de beijo gay na TV: “Por que não?”


Armando Babaioff tem se destacado em “Ti-ti-ti” como o surfista Thales. O ator, de 29 anos, conversou com QUEM sobre a homossexualidade nas novelas, sua carreira no teatro e vida pessoal. Ele conta que, quando aceitou o papel, não sabia que seu personagem se revelaria homossexual e se apaixonaria por Julinho (André Arteche). “Eu sabia que entraria em um capítulo avançado, mas não a real função do Thales na trama. Fui pego de surpresa inclusive no processo de criação, o que foi muito bom”.

Ele elogia a forma como a autora Maria Adelaide Amaral e sua equipe têm abordado a homossexualidade na trama, exibida às 19 horas. “Sinto que as pessoas, quanto mais o tempo passa, sentem a necessidade de ver a sociedade reproduzida nas novelas, e os autores foram sensíveis ao colocar esse assunto em pauta. O sofrimento do personagem ficou em primeiro plano e o público se identificou com isso. É bom ver que o ser humano ainda tem sangue nas veias, que percebe que não pode tapar o sol com a peneira porque existem pessoas sofrendo por essa questão, e o sofrimento não tem sexo. Cada um tem de ser aquilo que quer”.

O pernambucano, que desde os 9 anos mora no Rio de Janeiro, garante que não se recusaria a entrar para a história da teledramaturgia brasileira dando o primeiro beijo entre dois homens em uma novela, caso seja necessário. “Pelo personagem, estando dentro do que o autor acredita que eu vá conseguir fazer, por que não? Mas um beijo em ‘Ti-ti-ti’ não seria importante, nem para coroar o momento. A discussão está na autoaceitação, e não voltada para isso”, avalia.


Preparação
Ao descobrir que Thales faria par romântico com Julinho, Armando ficou curioso em ver a abordagem do assunto anteriormente na TV. “Assisti a algumas cenas de ‘A próxima vítima’ (1995) na internet para ver como foram tratados os personagens Sandrinho (André Gonçalves) e Jefferson (Lui Mendes). Existe uma diferença do que chocaria na época e hoje em dia. A sutileza daquela época e de hoje são diferentes, o tempo permitiu isso. Acho que em um futuro próximo seremos felizes discutindo coisas sem tantos véus na frente, porque as pessoas conseguirão enxergar um pouco mais além”, avalia.

Para começar a gravar, ele precisou fechar a boca. “Eu fazia teatro, em São Paulo, e não sei o que essa cidade tem que a gente não para de comer e beber maravilhosamente bem. Saía muito com meus amigos lá. Então, quando descobri que minha primeira cena era saindo de uma praia sem camisa, parei de comer macarrão (risos)”. O ator disse ainda não ter enfrentado preconceito dos surfistas, por interpretar um homossexual. “Não tive tempo nem de ir a praia, por causa das gravações”.

Fonte: Quem

Jogador do Peñarol “espreme” as partes íntimas do adversário


O Peñarol saiu com a vitória por 1 a 0 sobre a LDU na Copa Libertadores na última quarta, mas Dario Rodriguez parecia querer algo mais.

O defensor do time uruguaio agarrou até o que não devia quando caiu no chão junto com o atacante Hernan Barcos, com direito a uma espremida. Será que doeu?

Miss Gay Universe se sentiu a Paris Hilton na cadeia

“Os presos foram muito bonzinhos comigo”, disse o estudante e transformista Kaio Henrique Campos Alvim, de 19 anos, atual Miss Gay Universe, sobre a experiência de ter dormido em uma cela apertada com 12 homens na Cadeia Pública de Severínia, no interior de São Paulo.

“Chorei muito ao deitar no chão daquele cubículo gelado, sem iluminação e cheio de baratas, com aquele banheiro horrível. Mas os presos me respeitaram, foram educados comigo e não me fizeram mal ou me destrataram pelo fato de ser homossexual. Me trataram bem melhor do que os carcereiros e policiais, que foram um pouco grossos comigo. Mas não sofri preconceito”, disse Kaio, em entrevista por telefone concedida nesta quinta-feira (10) ao G1.

Ele e um amigo haviam sido presos em flagrante na terça-feira (8), feriado de carnaval, pela Polícia Militar em Olímpia, a 438 km da capital paulista. Os dois tinham sido detidos por suspeita de furtar uma mochila com máquina fotográfica digital, telefone celular e R$ 134 em dinheiro de um turista em um clube da cidade. Eles, que jamais haviam sido presos antes, negaram o crime e alegaram inocência em depoimento à Polícia Civil, mas mesmo assim foram transferidos da carceragem de Olímpia para Severínia.


Facebook e Paris Hilton
Kaio e o amigo foram soltos na noite de quarta-feira (9) após a defesa deles conseguir um habeas corpus na Justiça de Olímpia para que os dois respondam pelo furto em liberdade. Segundo o transformista, tudo não passou de um mal-entendido, como afirmou nas suas páginas de relacionamentos na internet. “Foi tudo mal entendido gentee, desculpe!!”, escreveu em seus perfis no Orkut e no Facebook.

Após a prisão, ele tem recebido o apoio de amigos e fãs. “Ainda vamos sentar e rir muito disso tudo! E você vai ter muita história pra contar!! Se Paris Hilton e Lindsay Lohan já passaram por isso, por que não você?”, dizia uma das mensagens.

“Me sinto mesmo como a Lindsay Lohan e a Paris Hilton”, brincou Kaio, que adota o nome artístico de Shayene Kathryn quando participa de concursos de beleza ou vai a festas. Ele, que é fã da atriz e a da socialite, se comparou às duas por causa da fama negativa que a prisão lhe trouxe.

Lindsay chegou a ser presa nos Estados Unidos suspeita de furto. Paris também ficou atrás das grades por porte de drogas e por dirigir embriagada. “Sou fã das duas, mas da personalidade forte delas. Não compactuo com o que elas fazem de errado. No meu caso, foi tudo um engano. Sou inocente”, disse Kaio. “Estou morrendo de vergonha.”

Quando foi preso com o amigo na tarde de carnaval, Kaio, que tem 1,90 metro, disse que apenas curtia o carnaval na piscina com a mãe e a irmã. A personagem Shayene, com peruca, seios postiços, maquiagem, vestido e salto alto havia ficado, segundo ele, no armário de sua casa em Barretos, no interior de São Paulo, onde mora com a família. “Não acredito que eu tenha sofrido preconceito por ser homossexual”, disse Kaio.


Versão do suspeito
“Após conhecer o local, fiquei com meu amigo numa das piscinas do complexo, quando fomos convidados pela segurança do clube a acompanhá-los até o bloco dos armários, no vestiário masculino. Fomos perguntados quem seria o dono do armário 62 e disse que era eu. Afirmei que lá estavam meus pertences, além de uma câmera digital, celular e dinheiro que estavam no interior de uma mochila que havia encontrado dentro do clube. A bolsa estava largada num banquinho perto da piscina", disse.

"Depois, procurei um salva vidas para devolver, mas ele me disse que não havia setor de achados e perdidos e pediu para eu guardar comigo no armário e depois devolver na portaria para ser entregue ao verdadeiro dono. Eu guardei, então, por segurança. Como a mochila era grande e não cabia no armário, a deixei do lado de fora, num banco. Fui apresentado ao proprietário do armário, que reconheceu os pertences e os pegou. Mas para minha surpresa eu e meu amigo fomos presos pela Polícia Militar, que nos acusaram de furto“, relatou Kaio.

O G1 não localizou o amigo de Kaio, um enfermeiro de 23 anos, para comentar o assunto. Mas ele confirmou a mesma versão do transformista em depoimento à Polícia Civil de Olímpia.

Coroa mantida e mudança de sexo
Procurados para comentar o assunto, os organizadores do concurso Miss Gay Universe informaram que apoiam Kaio e acreditam na sua versão. “Ela [Shayene] continuará com a coroa e a faixa de miss que ganhou em junho de 2010. Ela foi inocente e sabemos que não furtou nada”, disse Marcelo Hart, um dos organizadores do concurso. Pela regra, o transformista terá de passar o título à futura ganhadora do evento deste ano em Salvador.

Apesar desse apoio, Kaio afirmou que não poderá cumprir alguns compromissos profissionais por conta do processo de furto que terá de responder. “Não poderei viajar para outros países por um período de dois anos. Infelizmente não poderei deixar o Brasil”, disse.

Enquanto isso, Kaio, que é homossexual assumido e no momento está sem namorado, disse que se sente um pouco transexual e pensa em fazer uma cirurgia de mudança de sexo quando tiver 25 anos. “Farei igual a Ariadna [participante eliminada do programa Big Brother Brasil 11], que operou na Tailândia”, disse Kaio. “Também quero virar mulher um dia.”


Polícia Civil
O delegado titular do município de Olímpia, João Brocanello Neto, não acredita na versão dos suspeitos. “A história deles não é verdadeira. Disse para não mexerem no que é deles. Não estava abandonado”, disse o delegado que os indiciou por furto. “Temos provas contra eles: objetos encontrados em poder do Kaio, no armário dele. Não tenho dúvida alguma, eles furtaram.”

A equipe de reportagem do G1 também não conseguiu localizar o turista, que mora em Uberlândia, e afirma ter tido a bolsa furtada nem o segurança que abordou Kaio e amigo. Em depoimento à polícia, os dois disseram que os suspeitos confessaram o crime.

Kaio negou que tenha confessado o furto com o amigo. Também afirmou que não pensa em processar ninguém. “A partir de agora se eu vir algo no chão vou deixar no lugar que está e nunca mais pegar. Tentei ajudar alguém e me prejudiquei. A única coisa boa que aprendi na prisão é dar valor à família. Agora vou dar mais carinho para minha mãe.”

Fonte: G1

Cantor "Mulherengo" foi visto dando amassos em um Fortão no Carnaval


Um cantor que costuma alardear suas aventuras com as mulheres foi visto aos amassos com um fortão atrás do setor 2 da Sapucaí, depois do desfile da Grande Rio, domingo. Nada contra.

Fonte: Coluna Ancelmo Góis - Globo

BBB faz 'merchan social' contra preconceito, mas chama Diana de "Maria Sapatão"


Com a participação da lésbica Angélica e dos gays Dicesar e Serginho, o BBB10 deu a impressão que seria dedicado a discutir o preconceito contra os homossexuais, mas acabou consagrando como vencedor o lutador Marcelo Dourado, que o diretor Boninho classificou como “um ogro”.

Um ano depois, pressionado pelo Ministério Público, que está acompanhando o programa passo a passo, o BBB voltou a tentar passar uma “mensagem” positiva sobre a diversidade sexual.

Ao ser eliminada no primeiro paredão, a transexual Ariadna ouviu do apresentador Pedro Bial uma pergunta sobre a importância de ter trazido o tema da sua sexualidade para um programa como o BBB. Boninho também mencionou no Twitter, com satisfação, que “valeu falar sobre o tema”.

Nesta terça-feira, os participantes do BBB11 receberam uma camiseta com a seguinte inscrição: “Rio Carnaval sem preconceito”. Conforme Mauricio explicou aos colegas, trata-se de uma campanha da Prefeitura do Rio “para orientar cariocas e turistas contra os mais diversos tipos de preconceito religioso, racial, de gênero ou por orientação sexual”.

Todos os “brothers” e “sisters” aplaudiram Mauricio, ao final da apresentação da campanha, quando ele disse: “Liberdade é um direito de todos”. E vários deles vestiram a camiseta à noite, durante o programa, ao vivo.

No mesmo programa em que exibiu este “merchan social”, Mr. Edição apresentou um quadro cômico com marchinhas de Carnaval dedicadas a cada participante. Diana mereceu uma música celebrizada no programa do Chacrinha, “Maria Sapatão”, cujos versos célebres dizem: “De dia é Maria; de noite é João”.

Numa cena ocorrida em fevereiro, mas lembrada no programa, Diana discutiu com Daniel, depois que ele a chamou de “sapa”, diminutivo de “sapatão”. Muito ofendida, a modelo disse: “Não gosto de rótulos”.

É difícil entender como no mesmo dia em que adere a uma campanha contra os preconceitos o programa tente colar um rótulo, ainda que de brincadeira, sobre a orientação sexual de uma participante, sabendo que ela não quer ser chamada assim. Como fã declarado do "Velho Guerreiro", Bial diria: “Eu não vim aqui para explicar, eu vim para confundir”.

Fonte: Mauricio Stycer

Foi com esse cacete que a Rihanna apanhou na cara?

Chris Brown pelado, naked, nude, desnudo na frente do espelhoPara ver sem censura, click aqui!

Mudança de sexo: o que acontece após a operação?


Quem não se lembra da mais famosa transex brasileira, Roberta Close? Sim, a moça ficou famosa ao estampar a capa de uma revista masculina em 1984. E agora, Ariadna Thalia Arantes, também famosa por ser ex-confinada do reality show global, repete o feito. Este mês a cabeleireira publica fotos mais que insinuantes, provando que depois da cirurgia de mudança de sexo que fez em 2001, está realizada e feliz com o corpo. “Operei na Tailândia com um médico indicado por uma amiga e assim que acordei da anestesia me lembro da alegria que senti ao conferir que tudo tinha sido feito mesmo (risos)”, revela.

A morena afirma que só faltava o procedimento para sentir-se mulher de verdade. “Mudou um pouco de tudo: minha personalidade, meus desejos e a forma de viver. Hoje tenho qualidade de vida e tudo se transformou para melhor”, confessa.

A carioca afirma que o procedimento e o pós-cirúrgico foram bem tranqüilos e ressalta que não sentiu dor. “Eu preferi me mudar. Morava em Madureira pouco antes da cirurgia, fui para o Realengo. Lá, ninguém me conhecia e a adaptação foi bem tranqüila”. A ex-BBB afirma que não teve nenhuma consequência após a operação. “Hoje, vou ao ginecologista como uma mulher normal, faço controle hormonal para ver se está tudo certo no canal vaginal e na uretra e minha vida depois da participação no programa está repleta de oportunidades, com novos trabalhos e o carinho do público que eu adoro”. Ariadna promete aproveitar o espaço e quer seguir carreira como modelo fotográfica e de passarela, além de fazer um curso de teatro mais pra frente.


A cirurgia no Brasil

Para o urologista Carlos Adib Cury, pioneiro em cirurgias de mudança de sexo no País, o Brasil vem evoluindo nessa área, embora esteja atrasado 50 anos em relação à Europa porque o procedimento era proibido por aqui até 1998. O médico que tem 40 anos de profissão e uma centena de cirurgias realizadas traz à tona a realidade nacional: “Há um transexual masculino para cada 30 mil homens e um transexual feminino para cada 100 mil mulheres. É preciso aceitar e respeitar o desejo de cada um. Embora muitos transexuais já tenham conseguido o novo registro civil com mais facilidade após o procedimento, ainda existe muito preconceito. Cerca de 10% da população brasileira é homossexual, bissexual ou travesti. Já os transexuais são raros. A diferença é que o travesti se veste de mulher, mas traz trejeitos masculinos, assim como uma agressividade típica, enquanto o transexual é mulher”, explica.

A partir do momento em que se resolve pela mudança de sexo, é preciso ter um diagnóstico bem estabelecido. “São dois anos de análise com psicólogo e psiquiatra, além da equipe multidisciplinar que é composta por um endocrinologista, assistente social e cirurgião”, alerta o médico.

A prevenção e acompanhamento constantes antes do procedimento é regra para que haja um resultado positivo. “É importante acompanharar a vivência no gênero, ou seja, se vestindo, se portando, usando outro nome, fazendo uso de hormônios, enfim, levando o mesmo estilo de vida que vai ter após ser operado”, explica Alexandre Saadeh, psiquiatra coordenador do AMTIGOS - Ambulatório de Transtorno de Identidade de Gênero e Orientação Sexual do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP.

Como a triagem e preparo antes da operação são maçantes, é praticamente impossível encontrarmos um caso de arrependimento pós-cirúrgico. “Uma das virtudes do nosso trabalho é que nenhuma paciente nossa se arrependeu da cirurgia. Eles se sentem muito confortáveis depois da mudança porque atribuem o seu complexo a genitália, já que se sentem plenamente mulheres”, lembra Adib.


Quanto ao prazer, o cirurgião afirma que o feixe vásculo nervoso do pênis é preservado em toda sua extensão, e transformado em um clitóris. “Colocamos a glande no fundo da vagina que está sendo construída, preservando assim toda a sensibilidade. No caso das mulheres, elas tomam hormônios masculinos que aumentam de volume o clitóris cerca de 4 a 5 cm e na cirurgia ele é solto da vagina, proporcionando e mantendo a sensibilidade e o prazer”.

Do reality para a vida real

Vivian Fantin tem 39 anos e é uma bióloga de sucesso. Fez a cirurgia em junho de 2010 e agora está realizando as cirurgias estéticas. Ela conversou com exclusividade conosco, durante sua visita ao consultório para a retirada de pontos da intervenção estética.

UOL: Qual a sensação de ter se tornado mulher?

Vivian Fantin: Muito grande, logo que acordei da anestesia eu fiz questão de colocar a mão (risos). Mas a sensação é inexplicável, pela primeira vez eu senti que era eu.

UOL: O que mudou na sua vida?

Vivian Fantin: Tudo. Antes eu tinha receio de entrar nos lugares, de ser discriminada. Hoje eu vou em qualquer lugar e gosto muito mais de mim e do meu corpo.

UOL: Como foi a primeira vez como mulher?

Vivian Fantin: Foi ótimo, esse sonho era mais meu que dele, mas foi muito bom. Nos conhecemos antes da cirurgia e ele é heterossexual e nos apaixonamos. Hoje tudo está melhor.

UOL: E quanto ao preconceito? Vc passou por isso? Como se sentiu?

Vivian Fantin: Olha eu sofri muito preconceito sim, principalmente dos travestis e homossexuais amigos meus que ficaram contra mim e a cirurgia. Muitos não falam mais comigo e acham que eu mutilei meu corpo. Perdi muitos amigos. Eles acham que depois de um tempo a gente enlouquece, o que não é verdade. Eu renasci.

UOL: Qual a sua relação com sua nova genitália?

Vivian Fantin: Muito boa (risos)! Tenho todas as sensações e já tive 3 orgasmos depois da operação, menina (risos).


Arrasando no exterior

Lea T, a primeira supermodelo transgênero do mundo anunciou sua operação para mudança de sexo. A bela morena de 28 anos assumiu sua condição aos 25, a duras penas. “Aos 12 anos eu já era um menino bem feminino. Tentei aceitar meu corpo de homem porque seria mais fácil, mas não consegui”. A modelo que ficou conhecida internacionalmente por campanhas de marcas famosas como a Givenchy, é autêntica. Em uma entrevista à Oprah, contou como esconde o órgão masculino para fotografar e desfilar por passarelas fashion. “É um trabalho árduo e doloroso, tenho que virá-lo todo para trás e é mais complicado quando tenho que me sentar para fotografar, por exemplo”, disse.

A filha do ex-jogador de futebol Toninho Cerezo fez questão de enfatizar que seu pai é amoroso e a apóia o tempo todo. Sua cirurgia acontece este mês em março, na Itália.

Fonte: Uol