Páginas

sábado, 30 de abril de 2011

Cauã Reymond de sunga para Vogue

Você não precisa ser uma Princesa para poder ver o pênis do Príncipe William




Será que a Lady Kate gostou?Não era bem essa Lady, mas tá bom..bon...baum...

Mouhamed Harfouch só de toalha



Princesa Kate Middleton fazendo sexo oral real no Príncipe William ?

Reality com drags mostra que a feminilidade é para todos


É muita extravaganza! Quando Ru Paul, a drag queen mais famosa do mundo, dá a largada para a corrida das loucas, o que vemos pelo caminho são venenos deliciosos, necessidade positiva de autoafirmação e a amostragem de um universo que não é nada mais do que uma grande homenagem dos gays às mulheres. O reality show “RuPaul´s Drag Race” (“RuPaul e a Corrida das Loucas”) termina sua terceira temporada americana na segunda-feira, 02, pelo canal VH1. Pela mesma emissora, os brasileiros podem acompanhar toda as quintas-feiras, às 21h, a segunda temporada.

Aparentemente é mais um reality show com o mesmo formato de provas variadas, intrigas e eliminações. Mas, se podemos falar de uma certa cultura gay ou mais especificamente de uma subcultura drag, ela pode ser vista e disseminada a cada capítulo dessa disputa que elegerá a “America’s Next Drag Queen Superstar” (“A Nova Drag Queen Superstar Americana”).

Afinal, o que é uma drag queen? Diferente dos travestis e dos transexuais, são homens – majoritariamente homossexuais - , que se vestem de mulher mas não por tempo integral, em geral à noite, para realizarem performances, shows ou mesmo para certos trabalhos como cuidar da entrada de clientes em boates ou em festas. Essa mulher “inventada” pelas drags é carregada no exagero e na artificialidade, mas através dela surge uma ideia positiva e afirmativa de uma profunda feminilidade. Se por um lado, existe todo o glamour e o cuidado com a aparência que na nossa sociedade condicionamos às mulheres, elas também trazem um componente forte de humor, algo ligado às bees (não só a elas, mas essa forma caricata de construir ironias é muito exercitada nos círculos homossexuais). Enfim, as drags, de certa maneira, nos fazem ver, abaixo de quilos de maquiagem, a verdadeira conexão entre as mulheres e os gays.

Em cada capítulo, ao focar nas histórias de vida das drags concorrentes (muitas delas descendentes de imigrantes, negras, gordas, isto é, com um histórico de preconceito e superação), assim como no que elas têm de mais talentoso e único, podemos muito entender o que significa a frase repetida sempre por Ru Paul: “Mostrem-me a sua melhor mulher”. E nessa hora o babado é forte. Pois a melhor mulher de cada uma daquelas drags não está na aparência e sim na essência.

Uma essência que a cada capítulo fica evidente que não pertence só às mulheres ou aos gays, mas é algo que está em todos os seres humanos, pois todos temos um pouco de feminino em nossas almas.

Fonte: Uol



Príncipe William, Harry e Charles de cueca trocando antes do casamento



E não é real, Ok? Vai que alguém pensa....