Páginas

quinta-feira, 26 de maio de 2011

3 ANOS DE BANANAS IS MY BUSINESS

E a resposta que o Tio Silvio fez em outro post era o "Aniversário do Bananas is My Business Blog"!.
Bananas is My Business fez 3 anos no dia 17 de Maio, era tanto coisa para fazer que acabamos esquecendo, mas ainda dá tempo de comemorar!

3 Incriveís Anos com vocês leitores, que a cada dia só foi aumentando o número de visitas graças a vocês leitores que faziam o boca a boca com outras pessoas! E o resultado? Bananas is My Business cresceu rapidamente e ganhou destaque no Mundo Gay como jamais se viu antes! rss...

E para finalizar gostariamos de agradecer as visitas e a colaboração que os leitores tem conosco. Agradeço também a ajuda e colaboração de toda a Equipe do Bananas: Loopino, Miranda Priestly, Clarice e o Hot Devil. E não poderia esquecer também os nossos novos parceiros e patrocinadores que entraram no 3 ano do Bananas is My Business: W Freedom e Famosos Nus.

Agradecemos a todos pelo carinho, atenção, respeito e até uma ajudinha quando a gente precisa! rss....

Beijos e Abraços para todos!



E que venha o 4 ano do Bananas is My Business, pq de 4 é mais gostoso! rss...

Henri Castelli de sunga branca namorando um homem na praia

Henri Castelli gravou cenas de "O Astro" em clime de romance com outro ator na praia do Diabo, no Rio, nesta quinta-feira, 26. O ator fará um bissexual no remake, que também se envolve com a personagem de Regina Duarte.

Ativando o Olho de Thundera!Espada Justiceira, dê-me a visão além do alcance!


Fonte: Globo

"Não aceito propaganda de opções sexuais", afirma Dilma sobre kit anti-homofobia

A presidente Dilma Rousseff criticou o kit Escola sem Homofobia, também chamado de kit anti-homofobia e kit gay, na manhã desta quinta-feira (26). Ela disse que assistiu a um dos vídeos e não gostou do seu conteúdo.
"Não aceito propaganda de opções sexuais. Não podemos intervir na vida privada das pessoas", afirmou em cerimônia no Palácio do Planalto. A presidente disse, ainda, que o governo defende a luta contra práticas homofóbicas. “O governo pode, sim, ensinar que é necessário respeitar a diferença e que você não pode exercer práticas violentas contra os diferentes.”

Segundo a presidente, a situação está em estudo: “É uma questão que o governo vai revisar, não haverá autorização para esse tipo de política de defesa A, B ou C. Agora, lutamos contra a homofobia”.

Kit gay fica no armário
Depois da pressão da bancada evangélica e de grupos católicos do Congresso e das ameaças dos parlamentares desses grupos de apoiar investigações sobre o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, o governo federal decidiu suspender a produção e a distribuição do kit anti-homofobia, que estava em planejamento no Ministério da Educação. Segundo o governo, todo o material do governo que se refira a "costumes" passará por uma consulta aos setores interessados da sociedade antes de serem publicados ou divulgados.

A pressão dos parlamentares dos grupos de evangélicos e católicos foi feita com ameaças de convocar o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci para esclarecer a multiplicação do seu patrimônio e de pedir uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na área da educação por causa do projeto do material que seria distribuído às escolas para promover a diversidade. O governo nega que esse tenha sido o motivo do cancelamento.
Retrocesso
Para especialistas ouvidos pelo UOL Educação, a decisão representa um "retrocesso". Jaqueline Gomes de Jesus, professora da UnB (Universidade de Brasília), considera esse tipo de material sobre a diversidade "fundamental".

“Como as crianças vão conhecer a realidade se não houver material que leve a elas essa informação?”, questiona a psicóloga e doutora em Psicologia Social pela UnB. Ela aponta que em outros países, como nos Estados Unidos, são utilizadas apostilas sobre o assunto e que este é um modo de “atingir as pessoas em um aspecto afetivo”.

Para Evaldo Amorim, presidente da ONG Elos LGBT-DF, impedir a divulgação do kit anti-homofobia é um "retrocesso da sociedade". “A informação é necessária no espaço escolar. É um material didático, responsável, adequado para a faixa etária do ensino médio”, afirmou.

*Com informações da Agência Estado e da Agência Brasil

Fonte: UOl

Miro Moreira sem camisa e bastante sarado

Like J. Faro

Vai encarar?

2 Corpos e 1 Volume

O Volume do Mateus Mazzafera‏

Leitor mandou falando que tem volumão no video...

Christian Pior na festa do Pijama - Corpos e Bundas

Professora transexual diz que alunos sabem lidar com a diversidade

Os estudantes adolescentes sabem lidar com tranquilidade quando lhes é apresentado em sala de aula o tema da diversidade sexual. É a conclusão que chegou a professora Marina Reidel por sua experiência didática em uma escola pública de Porto Alegre. Ela se sente muito à vontade para falar sobre o tema que gerou a polêmica suspensão do projeto "Escola sem homofobia", que iria debater a diversidade sexual nas escolas públicas por meio de vídeos e uma cartilha – o chamado" kit anti-homofobia". Marina é transexual desde os 30 anos (ela não revela a idade) e é tratada com respeito por alunos, pais e diretores por seu trabalho em sala de aula.

De família com ascendência alemã, Marina sempre teve o carinho dos pais, que viam o filho brincando com bonecas desde pequeno. Mas nunca teve diálogo necessário para falar sobre sua orientação sexual em casa. Talvez por isso tenha demorado tanto tempo para assumir a sua condição.

No trabalho nas escolas viveu duas realidades distintas. Antes de decidir se tornar transexual, deixando o cabelo crescer e assumindo a sua feminilidade, Marina era o professor Mário e, como homossexual, era vítima de preconceito nas escolas.

“Enquanto eu era um gay não assumido tive alguns problemas”, conta a professora, que faz mestrado em educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. “Teve um pai que não aceitava que eu desse aula para a filha dele. Uma mãe retirou a filha da escola porque não aceitou o fato de ela ter um professor homossexual. Eu até fui ofendido por um aluno da oitava série. Registrei boletim de ocorrência e ele acabou saindo da escola.”

Depois que se tornou transexual, as coisas mudaram. Mario avisou a direção da escola que iria se ausentar por alguns meses e voltaria diferente. A diretora e os outros professores prepararam os alunos para receber esta mudança. E a transexual voltou à escola como uma respeitada professora Marina. “Depois que me transformei ninguém questionou nada sobre minha história ou meu trabalho. Nem os meus alunos, que têm de 10 a 17 anos. E os pais confiam na escola e no trabalho que a gente faz.”

Marina participou de trabalhos de capacitação promovidos pelo MEC sobre a questão da diversidade sexual nas escolas. Teve acesso aos vídeos preparados para o kit anti-homofobia e até promoveu com os alunos trabalhos abordando o tema. “Tivemos trabalhos excelentes sobre a conscientização desta temática”, avalia.

Ela lidera uma associação de professores transexuais do país. Diz que tem 15 professores transexuais nas escolas da rede pública, sendo quatro no Rio Grande do Sul. “Deve haver mais, mas nem todo mundo assume sua condição”, diz. Ao saber da suspensão da distribuição do material didático voltado para a orientação do professor, Marina achou um retrocesso. Ela diz que muitos professores querem abordar a temática, mas não têm material didático para se basear. E outros professores não querem se envolver com o tema por “preguiça”. “Eles se preocupam só com seus conteúdos enquanto na sala de aula temos violência, bullying, homofobia, drogas...”

Sobre a proibição do kit preparado a pedido do MEC, Marina disse que a interferência dos políticos está atrapalhando o desenvolvimento de uma questão importante para a educação brasileira. “Acho muito estranho é que na educação todo mundo dá palpite. No posto de saúde ninguém diz para o médico o que deve ser feito. Por que nós educadores temos que dar ouvidos às pessoas que não entendem de educação e querem dar pitacos no nosso trabalho? Por que os deputados evangélicos podem se meter tanto se o estado é laico?”


Fonte: G1

Divulgada capa do novo single de Beyoncé, ‘1+1’


Nesta quinta-feira, 26, foi divulgada capa do novo single de Beyoncé, “1+1”. A música, uma balada, foi apresentada pela primeira vez nesta quarta-feira, 25, durante a final do “American Idol”. A canção faz parte do novo álbum de Beyoncé, “4”, que tem lançamento previsto para 28 de junho.

Fonte: Globo