Páginas

domingo, 26 de junho de 2011

Marcos Pasquim sem camisa na cama

Strip-tease de um Gogo Boy

Beijo gay pode! Mas só se for muito tarde!

O ator Marcelo Serrado vai interpretar um personagem homossexual em 'Fina Estampa', próxima novela das nove da Globo. Ele viverá Cro, um gay exagerado que sonha ser cabeleireiro. E, claro, terá um relacionamento ao longo dos capítulos. "Ele tem um bofe, mas é segredo", contou Serrado em entrevista à revista "Tudo de bom TV", do jornal carioca "O Dia" deste domingo, 26. E o que Serrado acha da possibilidade rolar beijo gay na TV? "Depende do horário. Se for tarde, sou a favor, sim", diz ele.

Fonte: Globo

Bananas Dicas: Nesse inverno é bom usar moleton!

Myrian Rios e o seu "não é preconceito" em relação aos gays


"Não sou preconceituosa e não discrimino. Só que eu tenho que ter o direito de não querer um homossexual como meu empregado, eventualmente", afirmou.

"Por exemplo, digamos que eu tenha duas meninas em casa e a minha babá é lésbica. Se a minha orientação sexual for contrária e eu quiser demiti-la, eu não posso. O direito que a babá tem de querer ser lésbica, é o mesmo que eu tenho de não querer ela na minha casa. São os mesmos direitos. Eu vou ter que manter a babá em casa e sabe Deus até se ela não vai cometer pedofilia contra elas, e eu não vou poder fazer nada", disse.

"Se eu contrato um motorista homossexual, e ele tentar, de uma maneira ou outra, bolinar meu filho, eu não posso demiti-lo. Eu quero a lei para demitir sim, para mostrar que minha orientação sexual é outra", completou.

"Eu queria que meus filhos crescessem pensando em namorar uma menina para perpetuar a espécie", comentou Myrian, manifestando-se contra a PEC 23/2007, que visava acrescentar a orientação sexual no rol das vedações a discriminação da Constituição do Estado do Rio de Janeiro

Paulina Martins quer dizer algo para Myrian Rios

Vc, vc, vc quer? Marido da Galisteu de sunga....

Homossexuais criticam tom "carnavalesco" da Parada Gay


A Parada do Orgulho LGBT de São Paulo convive, desde sua primeira edição, em 1997, com clima festivo e político. Será que uma forma de manifestação atrapalha a outra? Homossexuais comentam suas ressalvas em relação ao maior evento do gênero do País e um dos principais do mundo