Páginas

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Gerard Butler sem camisa na praia

Otaviano Costa sem camisa

Mala volumosa do Eriberto Leão

Luisa Marilac no programa Provocações da Tv Cultura





Rafael Alencar e David Cardoso falam sobre sexo

Dando uma pintada em uma Bunda de Homem

Como seria um elevador em um prédio de nudistas?

Mística tomou uma coisa que não lhe caiu muito bem!

E entrou em Colapso...

Via Twitter, filho de Bolsonaro insulta homossexuais e celebra vitória do pai na Câmara


Bruno Siffredi, do estadão.com.br
O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PP) comemorou de forma inusitada o arquivamento da representação contra seu pai, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), no Conselho de Ética da Câmara nesta quarta-feira, 29. Pelo Twitter, o vereador dirigiu insultos aos homossexuais e disse que a decisão da Câmara é “o início da queda da ditadura do homossexualismo” no País.
Após reiterar o mesmo insulto em duas mensagens (“ch…, vi…!”), Carlos Bolsonaro fez uma declaração de apoio ao pai: “Tenho orgulho d (sic) ser igual ao meu pai em todos os sentidos e um deles é colocar sua competência acima d (sic) sua sexualidade.” O vereador ainda afirmou se divertir coma reação dos “gays” no Twitter. Antes de se despedir, fez questão de reafirmar a própria orientação sexual: “Atenção Boiolas, p/ (sic) infelicidade d vcs (sic), eu sou hétero!”
Jair Bolsonaro foi alvo de uma representação do PSOL após ter discutido publicamente com a senadora Marinor Brito (PSOL-PA) e ter classificado de “promiscuidade” a possibilidade de um filho seu ter relacionamento com uma mulher negra durante entrevista ao programa CQC, da TV Bandeirantes.
O Conselho de Ética rejeitou por 10 votos a 7 a abertura de processo disciplinar contra Bolsonaro. Os deputados do Conselho entenderam que não se pode punir um parlamentar com base em suas opiniões.




Filho de Bolsonaro sobre "chupa, viadada": Não fui ofensivo


O vereador Carlos Bolsonaro (PP-RJ) não considerou ofensivas as mensagens postadas na sua página do Twitter em comemoração ao arquivamento das representações contra o pai, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), por quebra de decoro parlamentar. Ele explicou a Terra Magazine que o "CHuUuuupa Viadada" foi apenas uma forma de "demonstrar sua satisfação diante da derrota do opositor".

"A maldade está na cabeça de quem interpreta. Usei a palavra ("chupa") para extravasar. E a oposição ficou chupando o dedo. Até porque, se fosse num outro sentido, eles (gays) não iriam ficar chateados. Iriam ficar felizes, porque é disso que gostam", ironiza, bem ao estilo do pai.

Valendo-se de um raciocínio peculiar, Bolsonaro - o filho - pleiteia o "direito" de chamar homossexuais de "viado".

"Ontem (quarta-feira, 29) aconteceu uma premiação, uma tal de "Rio sem preconceito", em que pessoas e personalidades iam ser premiadas por sua luta contra a homofobia. O ex-BBB Daniel falou: "Sou bicha, viado, gay - o que vocês quiserem - assumido". Quer dizer, quando um gay se auto intitula viado é bacana, mas quando eu chamo não é? O que eles querem fazer é uma democracia de...uma ditadura. Eles querem ser chamados de gay e de viado quando quiserem. Mas eu não posso chamar. Isso é injusto. Não ofendi ninguém, mas as pessoas têm o livre arbítrio para interpretar aquela colocação da maneira que quiserem".

Questionado se, na condição de membro da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal do Rio de Janeiro deveria adotar discurso mais cuidadoso e tolerante, rebateu:

"Para ser membro da Comissão de Direitos Humanos, você tem que defender o homossexualismo (sic)? Você tem que defender bandido? Você tem que defender tudo que é errado? Não. Nós temos um outro tipo de pensamento".

O vereador, que leva na parte interna do braço direito uma tatuagem com o rosto do pai, afirma ser vítima de perseguição e diz não se incomodar quando com ilações sobre sua sexualidade.

"Desde novembro do ano passado, quando meu pai descobriu a intenção dos "kits gays" (kit anti-homofobia do Ministério da Educação) e começou a divulgar isso pelos meios de comunicação, passamos a sofrer perseguição. Eles chamam a gente de um monte de coisa o tempo inteiro. São xingamentos, são ameaças. Na rua, no Twitter. Em tudo que é lugar. No prêmio "Rio sem homofobia" eles reuniram atores e atrizes do mais alto gabarito do Rio de Janeiro. Fiquei sabendo que fizeram uma paródia insinuando que nós somos homossexuais. Não vejo problema nenhum. Faz parte do jogo democrático. Quando um guerreiro vai lá para os Estados Unidos e faz uma obra de arte - que ele diz que obra de arte - com punks um transando com o outro e nomina um deles de Bolsonaro, é bacana? Quer dizer, a pressão que a gente vem sofrendo é enorme. Nada fiz além de extravasar".

Apesar da ferocidade das palavras, Carlos Bolsonaro afirmou "não ter problemas com gays" e disse que entre seus empregados há um homossexual.

"Não vou entrar em detalhes, porque eu nunca conversei com ele se eu poderia expor. Ninguém tem nada a ver com que o outro faz entre quatro paredes. Mas por que transformar políticas sociais para beneficar essas pessoas porque elas têm opção diferente da minha? Isso não existe", indaga, admitindo que parte do tom agressivo é estratégia para atrair os olhares da imprensa".

"É isso também. Nós vivemos dos fatos. O que eu quero neste momento é externar o que a maioria da população está sentindo e a imprensa não tem dado espaço. Estamos sendo sufocados por todos os lados pela ditadura do homossexualismo (sic). Em novelas, em jornais, em programas de televisão. Ninguém aguenta mais isso".


Fonte: Jornal do Brasil

Infidelidade é hereditária nos homens, diz estudo

A herança genética é um ingrediente poderoso em nossas características. É ela que define olhos, cabelos, predisposição para algumas doenças e até cafajestice. Isso mesmo, você leu certo, pesquisa recente acaba de provar que homens infiéis tendem a herdar de seu pai o gosto pelo adultério. Aí vai nossa dica, antes de engatar um romance sério, faça questão de conhecer o sogro.

O estudo realizado na República Checa reuniu 86 casais, que foram questionados sobre confiança, antecedentes familiares e infidelidade. Os resultados mostraram que a traição era comum em ambos os sexos, mas somente nos homens a figura paterna era determinante do comportamento. Nas mulheres, o fato de as mães serem infiéis não influenciava a prole.

Em reportagem no site do jornal inglês The Daily Mail, Jan Havlicek, responsável pela investigação, disse que isso acontece porque eles crescem tendo o pai como referência de comportamento. Por que isso não acontece com as mulheres? Ainda de acordo com Havlicek, a diferença é que eles traem não por estarem insatisfeitos com o relacionamentos, mas porque querem sexo. Já a ala feminina tende a procurar outros parceiros somente quando o romance não vai bem.

Martie Hasleton, psicóloga da Universidade da Califórnia, também buscou interpretar os resultados da pesquisa. Segundo ela, a explicação genética está ligada à boa aparência, o que aumenta as possibilidades de flertes extra-oficiais para eles. Mulheres atraentes, por sua vez, se comportariam de forma diferente " Elas provavelmente vão buscar um companheiro de alta qualidade, ao invés de vários.", disse em entrevista ao jornal inglês.

Fonte: UOl

Britney Spears: 'I Wanna Go' Official Remix Video!

Britney Spears - I Wanna Go (DJ Frank E & Alex Dreamz Remix)

Myrian Rios: Ator de teatro faz paródia a declarações da deputada

As declarações sobre os homossexuais dadas por Myrian Rios Na Alerj no último dia 21 viraram motivo de sátira na Internet. O ator Celso André fez uma paródia do episódio em um vídeo que já é sucesso na web. Publicado no Youtube na última terça-feira (28), ele teve quase 10 mil acessos em dois dias.

Intitulado de "Myrian Réus", o filme de pouco mais de três minutos traz o ator caracterizado como a deputada estadual discursando sobre o por que é contra a PEC 23/2007 (tratada como remenda no vídeo), que visa acrescentar a orientação sexual no rol de vedações e discriminações na Constituição do Rio de Janeiro.

"Eu não tenho o preconceito dentro de mim [...] se ela lei passa e hoje eu como mãe e ex-atriz de 20 meninas, eu contrato uma babá e depois de dois dias eu descubro que ela é obesa e na minha casa a orientação sexual é ser magra, com essa lei eu não posso demiti-la. Ela escolheu ser gorda, opção dela e eu quero também ter o direito de poder demiti-la, dá licença?", diz Celso.

Fonte: Quem