Páginas

domingo, 14 de agosto de 2011

Zac Efron Naked

Anda circulando na internet essas fotos do Ator Zac Efron! #Será?
Real or Fake?

Kassab confirma veto a projeto do Dia do Orgulho Hétero !!!

Sambando na cara dos Héteros Orgulhosos!


Oração de Dercy tem PODER!!!


Porraaaa, vou até colocar os meus óculos para ler isso direito!


O prefeito Gilberto Kassab (PSD) decidiu vetar o projeto de lei que cria o Dia do Orgulho Heterossexual em São Paulo. Para Kassab, a medida é "despropositada".

Kassab confirmou o veto ao projeto em entrevista ao jornal "Agora São Paulo", do Grupo Folha, que lança hoje seu novo projeto gráfico.

Na primeira manifestação sobre o tema, dois dias após a aprovação, Kassab disse que o projeto não incentivaria a homofobia. "É um projeto como outro qualquer", afirmou o prefeito na ocasião. Em menos de dez dias, Kassab mudou de opinião.

"O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar", disse o prefeito na entrevista ao "Agora São Paulo".

Para ele, faz sentido que mulheres, negros e outras minorias raciais que sofreram brutalidades e ofensas tenham seus dias no calendário. "Estas datas, sim, têm sentido, pois estimulam a tolerância e a paz."

O autor do projeto de lei que cria o Dia do Orgulho Hétero é Carlos Apolinario, do DEM, partido que Kassab deixou para fundar o PSD. Ontem, a nova legenda fez sua convenção nacional em São Paulo e elegeu Kassab como seu presidente nacional.

Apolinario, membro da igreja Assembleia de Deus, disse ontem, em artigo na Folha, que seu objetivo com foi "debater o que é direito e o que é privilégio". Para ele, o Dia do Orgulho Hétero não incentiva a homofobia.

O projeto foi aprovado no início do mês em votação simbólica na Câmara. Dos 50 vereadores presentes, 19 se manifestaram contra.

A aprovação foi fruto de um acordo entre Apolinario, o líder do PT, Italo Cardoso, e o presidente da Câmara, José Police Neto (sem partido).

Apolinario estava obstruindo todas as votações na Casa até que fosse votado seu projeto. Para desobstruir as votações, Cardoso aceitou colocar o projeto na pauta e não pedir votação nominal, o que inviabilizaria a aprovação, desde que pudesse manifestar a contrariedade da bancada petista.


E MAIS....

Kassab não manteve palavra, diz criador do dia do hétero em SP

O vereador paulistano Carlos Apolinário (DEM), autor do projeto de lei do Dia do Orgulho Heterossexual, divulgou nota oficial neste domingo lamentando o veto] do prefeito Gilberto Kassab (PSD).

Em entrevista publicada hoje no jornal "Agora São Paulo", do Grupo Folha, o prefeito disse que a medida é "despropositada".

Segundo Apolinário, membro da igreja Assembleia de Deus, "o prefeito me havia dado a palavra de que não sancionaria nem vetaria o projeto, deixando para a Câmara promulgar".

Ele credita a decisão à "pressão dos gays" e afirma que vai continuar lutando "democraticamente, combatendo os excessos e privilégios dados aos gays".

Após a aprovação do projeto, o vereador teve seu site pessoal invadido por ativistas que deixaram críticas às suas posições.

De acordo com Apolinário, faz parte de seu trabalho alertar "a sociedade contra esta grande mentira, que vem sendo dita pelos gays e repetida pela mídia e por formadores de opinião, dizendo que os gays são discriminados e perseguidos, quando, na verdade, querem nos calar, implantando uma verdadeira ditadura gay, pois eles se consideram intocáveis".

POLÊMICA

Na primeira manifestação sobre o tema, dois dias após a aprovação do projeto, Kassab disse que o projeto não incentivaria a homofobia. "É um projeto como outro qualquer", afirmou o prefeito na ocasião. Em menos de dez dias, Kassab mudou de opinião.

"O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar", disse o prefeito na entrevista ao "Agora São Paulo".

O projeto foi aprovado
no início do mês em votação simbólica na Câmara. Dos 50 vereadores presentes, apenas 19 se manifestaram contra.

Com a repercussão do assunto, PT e PSDB iniciaram uma articulação para convencer Kassab (PSD) a vetar o projeto.

Fonte: FOlhaOnline