Páginas

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Cresce número de brasileiros gays no exterior que pedem asilo alegando homofobia

Os pedidos de asilo político feitos por brasileiros gays que vivem no exterior passaram de três, em todo o ano de 2011, para 25 apenas nos três primeiros meses deste ano. A informação é da ABGLT (Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais), que afirma ter remetido os casos à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

De acordo com o presidente da entidade, Toni Reis, os pedidos se referem a tentativas de asilo principalmente em países como Estados Unidos e Canadá, e ganharam força após notícias de violência contra homossexuais em cidades brasileiras como São Paulo –onde diversos casos foram notícia, ano passado, sobretudo com a avenida Paulista de palco das agressões.

Segundo Reis, apesar de remeter à SDH os casos que chegam, a própria associação ainda não assumiu um posicionamento formal sobre esses pedidos. O motivo, diz ele, é a possibilidade de que parte dos autores desses pedidos se valham de casos recentes de violências contra homossexuais no Brasil como escudo a tentativas de asilo político tentados, mas não obtidos.

“Temos cartas de pessoas dizendo que não dá pra viver no Brasil, e sempre com a alegação de homofobia no nosso país. Antigamente endossávamos esses pedidos com um relatório de assassinatos de homossexuais --foram 3.500 ao longo de 20 anos--, além do fundamentalismo religioso de um Bolsonaro da vida”, disse Reis, referindo-se ao deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), que provocou a ira dos defensores dos direitos LGBT, ano passado, com declarações polêmicas e consideradas ofensivas.

Para o militante, no entanto, o aumento de pedidos de asilo omite a adoção de políticas públicas específicas ao público LGBT, por exemplo, e a conquista de direitos civis, por meio do poder Judiciário, como a união estável garantida ano passado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

“Sabemos que algumas pessoas usam a questão da homofobia para tentar mesmo o asilo político. E não somos um Irã. Mas também é fato que os homofóbicos estão ‘saindo do armário’, o que torna um absurdo a homofobia ainda não ter sido criminalizada”, defende Reis. “Acho que ainda dá para viver aqui; se piorar, aí a gente vai mesmo ter que sair do país”, completou.

Não criminalização da homofobia
Para a presidente da Comissão Especial da Diversidade Sexual do Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Maria Berenice Dias, os pedidos de asilo não são uma novidade --mas o aumento deles, sim.

A advogada --uma das pioneiras, no Brasil, em direito homoafetivo-- considera, a exemplo do presidente da ABGLT, que a não criminalização da homofobia é a raiz de iniciativas como essa por parte de brasileiros residentes fora. “A homofobia pais é uma realidade social, e a ausência de uma legislação que a criminalize, por si só, já justifica esses pedidos de asilo”, definiu.

Na opinião da especialista, o avanço das tentativas de asilo não se revela medida extrema, mas, sim, “necessária”. “É medida necessária à medida em que se tem um número muito significativo de violência sem qualquer tipo de repressão. E acho até bom que esses asilos sejam concedidos, pois acabam até expondo o Brasil a um constrangimento --porque o Judiciário avança em termos de reconhecimento de direitos civis, mas na criminalização está difícil de avançar”, constatou a presidente da comissão.

Direitos Humanos
Procurada, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República informou, por meio de nota, que “tem trabalhado para enfrentar a violência homofóbica no Brasil de forma preventiva e repressiva”, seja por meio de campanhas institucionais ou em parcerias com veículos de comunicação, ou por meio de termos de cooperação com as secretarias estaduais de Segurança Pública.

A nota diz ainda que o governo brasileiro “cumpre com as recomendações das Nações Unidas e está realizando o levantamento dos dados de homofobia no Brasil” e ressalta que o cidadão pode denunciar casos pelo telefone 100, 24 horas por dia, anonimamente. Esses dados, continua a SDH, “demonstram que o Brasil desenvolve políticas públicas para que a população LGBT não seja obrigada a sair do país devido a sua orientação sexual”.

Não foram informados, contudo, quais encaminhamentos foram dados a pedidos de asilo que a ONG ABGLT afirma ter repassado à SDH.

Soraya Travecão tenta fugir da Homofobia do Brasil! Será que ela vai conseguir?





"Não volto de jeito nenhum: aqui sou um ser humano, não uma condição", desabafa brasileiro que vive no Canadá.O advogado brasileiro André Aggi, 36, está desde novembro do ano passado em Vancouver, Canadá, e aguarda a concessão do asilo para não retornar mais ao país. “Não volto de jeito nenhum. Porque aí no Brasil eu serei pra sempre uma condição. Aqui, sou um ser humano”, desabafou, por telefone, em entrevista ao UOL.

Natural de Pouso Alegre, sul de Minas Gerais, Aggi é um dos 25 homossexuais brasileiros que tentam este ano conseguir asilo em outros países de acordo com a ONG ABGLT (Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais). Sobre a volta ao país natal, o advogado é taxativo: enquanto a homofobia não for criminalizada nas leis brasileiras, a possibilidade de voltar não passa, nem de longe, por sua cabeça. No Canadá, Aggi --que também é ator-- está casado com um francês.

Abaixo, um relato do brasileiro --que foi informado, pela reportagem, da posição da Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República a respeito do combate à homofobia no país.

*

“Pedi asilo ao governo canadense em novembro de 2011, em razão da minha orientação sexual, e aguardo a minha audiência. Vim como turista. Se pedisse asilo no Brasil, acredito que nunca conseguiria.

Advoguei quatro anos e meio no Brasil, em Pouso Alegre. Não tinha dinheiro nem para uma consulta oftalmológica; aqui, mesmo ainda pleiteando o asilo, tenho seguro de saúde federal e consegui meu óculos de graça. Isso pra dizer o seguinte: falam que não tem homofobia no Brasil, mas tem, sim, nem que seja velada. E eu sentia isso mesmo para trabalhar.

Nesse tempo em que advoguei, tive 45 casos. Perdi um só: uma queixa-crime relacionada a discriminação por condição sexual. Até de juiz, advogando, já ouvi piadinha por eu ser gay...

Eu morava no centro de Pouso Alegre e uma vez dois rapazes encapuzados me espancaram quando eu voltava para casa. Um deles colocou uma faca no meu pescoço e, perdão pela expressão, me disse: “Isso é pra você tomar vergonha na cara e deixar de ser viado”. Como esquecer isso?

Agora, quanto à Secretaria [de Direitos Humanos] dizer que combate a homofobia para que os gays, como eu, não sejamos obrigados a sair do país por conta de orientação sexual... sinceramente? Na prática não é absolutamente nada disso. Essa conversinha não convence. Digam isso aos juízes que zombavam de mim veladamente; digam isso aos tantos adolescentes que ainda sofrem bullying na escola todos os dias.

Aqui no Canadá o debate é tão mais avançado que você vê casais homossexuais andando nas ruas de mãos dadas, empurrando carrinho de bebê, com famílias já constituídas, sem ninguém olhando torto para eles. E não é pelo canadense ser ou não melhor que o brasileiro: é que aqui, e nos Estados Unidos, o homofóbico é um criminoso. É lei, não é questão de boa vontade.

E pela proteção que me deram, pela compreensão que tive do oficial de imigração aqui –perguntaram até se eu queria assistência psicológica, para você ter uma ideia --, digo que não volto de jeito nenhum. Porque aí eu serei pra sempre uma condição. Aqui eu sou um ser humano."


Bia Cacura Falcão tenta escapar da perseguição homofobica no Brasil! Será que ela vai conseguir?








Quem sabe não fazendo isso acaba criando uma má fama do Brasil lá fora... e o Governo Brasileiro fique envergonhado e tente ser melhorzinho?

Mas que as vezes dá vontade de mudar de ares, isso dá!



.

Lucas Malvacini de cueca, sunga e pelado

Nunca fui patriota, acho melhor tirar a bandeira!

Para ver mais click aqui!



.

Ex-BBB Jonas exibindo tanquinho e de sunga branca

Jonas Sulzbach posou sexy para as lentes do maquiador, fotógrafo e colunista de QUEM Fernando Torquatto. Nas imagens, o ex-BBB exibe o corpo malhado que deu a ele o título de Mister Brasil Mundo em 2010.

"Conhecia-o como modelo, mas nunca trabalhos juntos. Gostei de vê-lo no BBB, ele mostrou ter caráter, valores e dignidade, colocando por terra aquele estereótipo de que gente bonita não tem conteúdo", afirmou Torquatto. (e que conteúdo hein, 21 cm...)

Para valorizar os traços do ex-brother e seu corpo, a inspiração veio do filme "E Deus Criou a Mulher", de Roger Vadim. "Queria realçar a beleza dele, e o branco e o bege sempre remetem à Grécia e a uma noção de pureza, de verdade", completou. ( Deus Grego?)

Kris Humphries com cueca molhada em ensaio

O jogador de basquete e ex-marido de Kim Kardashian aparece sexy nas fotos da publicação feitas por Chirstopher Logan no New York’s Night Hotel.

Elton John dá apalpada em Channing Tatum durante show beneficente

Elton John deu uma apalpada indiscreta no bumbum de Channing Tatum na noite desta terça-feira (3), durante um show beneficente em Nova York. O ator, que antes da fama foi stripper em uma boate gay chamada Chan Crawford, em West Virginia, fez uma participação durante a apresentação do cantor.

Últimas notícias da Páscoa - Coelhinho quase foi atropelado, mas já está chegando!

Casos de bactéria que provoca diarreia têm crescido entre gays no Reino Unido

Uma situação alarmante tem chamado a atenção no Reino Unido. De setembro a dezembro de 2011, o país registrou 145 casos de homens gays infectados por uma bactéria denominada “shigella”. A bactéria provoca diarreia com sangue e a contaminação, geralmente, ocorre através do consumo de água contaminada ou de alimentos lavados em água também contaminada.

No entanto, o que tem preocupado a ONG britânica “Health Protection Agency” (Agência de Proteção à Saúde) é o fato de que, dos 145 casos de contaminação, 31 ocorreram dentro do país e a maioria dos infectados é composta por homens que fizeram sexo com outro homem na semana anterior ao surgimento dos sintomas.

Por enquanto, a doença ainda não está sendo considerada uma epidemia no país. “Nós continuamos a aconselhar as pessoas nestes grupos (homens que fazem sexo com homens – na siglaem inglês MSM) para irem ao médico se tiverem diarreia e ver se estão infectados com a shigella. Se estiverem com ela, evitem ter relações sexuais até que estejam recuperados para reduzir o risco de transmissão”, explica a médica chefe de equipe de controle de surtos, Isabel Oliver.

Isabel lembra que é de extrema importância lavar bem as mãos antes de preparar e comer os alimentos, depois de ter ido ao banheiro e, também, antes e depois das relações sexuais. O tratamento é feito com antibióticos e a maioria das pessoas se recupera totalmente, sem outras complicações.

Fonte: Uol



Seria o cunete praticado pelos homos que estaria causando o crescimento maior entre os gays ingleses?


,