Páginas

terça-feira, 19 de março de 2013

Kellan Lutz totalmente Pelado


Caio Castro sem camisa


Patrick Schwarzenegger só de shortinho abraçado com seu amigo


Harry Judd só de cueca branca e exibindo a bunda




Mister Universo Brasil 2013, perde o título por posar Nu



Lucas Kubitschek, candidato do Distrito Federal, que foi eleito o Mister Brasil Universo 2013, na última terça-feira, 12, perdeu o título por conta de fotos em que aparece nu. De acordo com a organização do concurso, Lucas teria descumprido a exigência de "não ter sido fotografado em atividades consideradas pornográficas". O brasiliense não nega ter posado nu, no entanto, afirma que as imagens não representam pornografia. Nesta terça-feira, 18, ele divulgou uma nota oficial afirmando que discorda da decisão da organização.
"Com muita estranheza fui surpreendido hoje, pela manhã, com as informações divulgadas pela direção do Mister Universo Brasil de que eu havia perdido o título em razão de ter posado nu para fotos. O regulamento do concurso, em nenhum momento, proíbe fotos de nu artístico, restringindo-se a fotos pornográficas. Por pornografia entende-se a obra com representação explicita de atos ou órgãos sexuais, com objetivo de provocar excitação sexual no observador. O que não é o caso. Jamais fiz qualquer foto pornográfica.Todos os entendimentos, a partir de agora, se darão na esfera judicial", disse ele.
Fonte: Globo

David Jensen diz que apenas o Mercado Homossexual salva os Modelos Brasileiros


É nítida a vantagem que as mulheres tem em relação aos homens no mundo da moda. O modelo brasileiro David Jensen, sucesso nas passarelas de grandes maisons como Armani, Versace, DSquared e Dolce & Gabbana, declarou em entrevista ao site Chic, de Glória Kalil, que o mercado fashion no Brasil é desestimulante para homens: “Desfilar aqui não vale a pena financeiramente, você fica o dia inteiro à disposição por um cachê baixo que você só vai receber depois de seis meses. É interessante para modelos mais novos, que precisam desta exposição, mas eu estou em outra”.


David ainda ressalta que o o mercado brasileiro é fraco em relação ao europeu, que tem uma forte identidade. ”Em Milão e Paris tem trabalho pra gente, tem uma semana própria de desfiles e fazemos muitas campanhas para as marcas. Mesmo os consumidores tem uma noção do corte correto da calça. No Brasil os ternos são caretas e as roupas parecem sacos de batata.”, afirma.


O modelo ainda fala da relação mercado X moda X mundo gay: ”Se não fosse o mercado homossexual, não teria editorial de moda masculina no Brasil. Nas revistas de moda só aparecemos como acessório da modelo principal. Eu tive sorte de trabalhar bastante para a editora Marília Campos Mello, da revista Vip, pois era praticamente o único modelo por aqui. Mas nas masculinas nacionais o papel da revista não é tão bom e se você aparece com uma calça acertada no corpo é imediatamente taxado de gay.”.


David, que é sucesso lá fora, e acaba de abrir um estúdio de fotografia, já estava habituado a fechar suas participações nos desfiles da semana de moda italiana em jantares com Armani e Donatella em pessoa, sem sequer passar pelo processo de casting.


Fonte: Gon




Mr. Bananas pretende ajudar muito ainda o Mercado dos Modelos Masculinos!

Fazer o que se sou Franciscano assim como o novo  Papa é!





Alemanha faz cartilha para incentivar atletas gays a saírem do armário

“É talvez o último tabu que os gays precisam derrubar”. É com esse pensamento que o sociólogo Gerd Dembowski, da Universidade de Hannover e consultor da DFB (sigla em alemão para Federação Alemã de Futebol), retrata a ausência de atletas homossexuais assumidos no futebol do país.


Especialista em xenofobia e discriminação no esporte, Dembowski faz parte de um grupo que formula desde 2012 uma cartilha encomendada pela DFP para encorajar os jogadores gays a saírem do armário.

“O guia será para os jogadores, para dirigentes e técnicos também. É para  mostrar como eles podem sair do armário, como agir com a pressão da mídia. Mas mais do que os jogadores é para ajudar os dirigentes, os técnicos sobre o que eles devem falar, que mensagem devem passar. Estamos perto, acredito, dos jogadores assumirem”, afirmou Gerd Dembowski em entrevista ao UOL Esporte.

O documento foi encomendado pelo ex-presidente da DFB,  Theo Zwanziger, um simpatizante na causa gay. Seu sucessor, Wolfgang Niersbach, manteve o projeto. O texto final deve ser concluído este ano.
“Se um jogador sair do armário será uma atitude valente e teria o meu apoio e da federação", afirmou Zwanziger em março de 2011. Um dos autores do guia anti-homofobia acredita que em até cinco anos o homossexualidade não será mais um tabu no país. “Até lá, acho, teremos jogadores assumidos”, diz Dembowski.

A Alemanha é um dos países que mais combatem a homofobia. O capital do país, Berlim, é governada por um politico assumidamente gay. O St. Pauli, clube da segunda divisão, já teve um presidente homossexual.

No futebol, porém, o tema ainda gera controvérsias. Em setembro de 2012 um jogador da Bundesliga, primeira divisão do Campeonato Alemão, deu uma entrevista a revista “Fluter” assumindo sua homossexualidade. A identidade do atleta, entretanto, foi mantida sob sigilo para evitar problemas na sua carreira.

“Não te preocupes”, afirmou na época a chanceler alemã, Angela Merkel, incentivando os homossexuais a não se esconderem. A posição contrasta com a opinião do capitão da seleção alemã Philipp Lahm. “Um jogador conhecido como gay iria se expor a comentários depreciativos”, afirmou o lateral.
Fonte: Uol