sexta-feira, 25 de março de 2016

Pesquisa da UFSCar - 1 em cada 3 homossexuais afirma sofrer preconceito dentro das escolas


Para ler mais click aqui!



21 comentários:

  1. Preconceito a gente sofre toda hora, ontem mesmo eu estava dançando numa festa e um cara que estava NO MESMO GRUPO de amigos que eu deu um grito "AAAAAI" com uma voz de gay pra me provocar, é foda ser feliz do nosso jeito sem incomodar as pessoas, minha vontade foi de sair na mão com ele mas se eu fizesse isso ia perder minha noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ter certeza que esse tal cara deve ser uma bichona enrustida !

      Excluir
  2. fizeram uma pesquisa para descobrir o obvio?

    ResponderExcluir
  3. Esses dois que não são discriminados fingem muito bem não serem gays, porque até eu, mesmo discreto sempre sofri.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm sempre sofri, só que quando era criança, era muito alegre, gesticulava muito, era muito feliz nessa época, quando vc começa a se policiar para não ser a atenção vc vai ficando mais triste.

      Excluir
  4. Quero saber quem são essas outras duas que não sofrem.

    ResponderExcluir
  5. Eu lembro que no ensino básico eu tive vários amigos, e ninguém me discriminava (não por eu ser afeminado, mas como eu nunca gostei de jogar futebol ou soltar pipa como os outros meninos, muita gente desconfiava de mim). Já no ensino fundamental eu fui infernizado por isso e acabei ficando com poucos amigos. Com esse trauma eu acabei me fechando no ensino médio e fingi que gostava das coisas que os outros garotos gostavam pra não sofrer bullying.

    Felizmente eu me assumi e agora não escondo dos meus amigos da faculdade, mas olhando notícias como essa me faz ficar triste pelos gays mais novos que não tem orientação de ninguém e sofrem calados.

    ResponderExcluir
  6. Escola = inferno. Faculdade = inferno. Trabalho = inferno. Viver, sendo gay, é uma inferno.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhor resumo, só não é esse inferno todo, se vc é rico ou vive no meio de pessoas com mente aberta, verdadeiramente educadas que aceitam as diferenças alheias e não ficam de mimimi

      Excluir
    2. na escola sempre jogavam bolinha de papel em mim, me chamavam de bicha, mudei muito de escola mas sempre fui o alvo da zoação, peguei trauma total de escola por isso não consegui terminar a faculdade, mas me encontrei no trabalho e hoje vivo muito feliz, medroso ao extremo mas feliz

      Excluir
  7. VAI SER LONGO, LÊ SÁPORRA QUEM QUISER

    (eu uso muitos parênteses, tentem não se incomodar, blz?)

    Vou tentar me descrever pra vocês entenderem como é a minha vida como homem estudante gay que não é discriminado.

    Eu não sou um cara "discreto". Não dou pinta, não sou afeminado, não faço gestos demais, mas minha risada me entrega, acho. Basicamente, fica bem claro pra quem QUER perceber. Sou nerd, confiante, ambicioso (isso faz uma puta diferença na sala de aula), sou - modéstia à parte - o melhor estudante da sala (e talvez da escola) e tenho opiniões bem fortes. Não faço questão de me esconder, falo mesmo sobre assuntos LGBT e, o mais importante, defendo para caralho o que acredito.

    Defendo a comunidade LGBT, tento conscientizar a turma, faço a minha parte como homem gay e pá. Até hoje ninguém me insultou/humilhou/inferiorizou por ser gay, pelo menos não na minha cara. Não sei se pareço hétero, mas nunca fui discriminado.

    E outra coisa, não sou bonitão (porque isso faz diferença em qualquer aspecto da vida, falem sério) nem sou rico. Eu estudo em escola pública numa cidade pequena. Não chego a ser feio, só não sou bonito (mas vou ficar, porque: roacutan e academia :D e, futuramente, dinheiro pra caralho POR FAVOR DEUSES). Todo mundo costuma ter um certo nível de respeito por mim e a única pessoa que mencionou meu nome e a palavra "gay" - ou "viado", não lembro ao certo - numa frase, foi realmente por curiosidade, pra saber se eu sou e tal, sem intenções de ofender. Essa pessoa fez questão de deixar isso bem claro.

    * e sou fã de música pop (e rock/techno), incluindo Madonna e Lady Gaga e isso não é segredo pra ninguém. As pessoas da minha família sabem e nem parecem suspeitar que sou gay (não querem acreditar, eu acho) e umas meninas que foram minhas amigas sabiam disso e eu era o
    crush de uma, talvez até duas delas... expliquem essa, ateus? xD

    Se você leu até aqui, fico agradecido. Se quiser falar sobre, comenta aí que eu respondo outra hora. Flw... e eu amo teu blog, dono do blog

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm tomo roacutan, a pele fica muito boa, o único efeito colateral além do lábio bem seco (vivo de hidratante labial) é o fato dele dar depressão, me ataca legal!

      Excluir
    2. Tô na minha primeira semana e até agora não senti nenhum efeito colateral. Eu tenho um puta medo da depressão, porque tenho histórico. Eu sei que me odiaria em alguns anos se eu não tivesse tentado, então resolvi brincar com a sorte. Só espero que não atrapalhe os meus estudos, já que o ENEM tá meio que perto. Boa sorte no teu tratamento, cara.

      Excluir
    3. Quando eu vejo que a depressão vai atacar, tomo um antidepressivo, mas em geral iria ficar depressivo mesmo, é se ficasse com o rosto oleoso e cheio de espinhas, já vivi as duas fases, da pele como de boneco e a pele parecendo um adolescente no ápice da puberdade, e prefiro, mesmo com a depre (em tratamento), a pele de boneco.

      Excluir
  8. Mais uma coisa, eu sinto muito por quem é discriminado. Queria que esse tipo de situação acabasse de vez.

    Assinado: cara que escreveu um texto aqui em cima

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, não desejo o que passei pra ninguém, foram anos de terapia pra poder lidar com tudo isso

      Excluir
  9. E precisa de pesquisa?

    ResponderExcluir
  10. Eu nunca dei pinta, sempre fui discreto, nunca fui afeminado mas na escola, eu ficava sempre mais perto das meninas, por isso tinha sempre as piadinhas, no Ensino Medio comecei a me aproximar mais dos garotos e as piadinhas continuaram, entao resolvi me fechar, fiquei com poucos amigos, mas nem ligava, o engraçado é que os garotos sempre tinham certas brincadeiras “bem gays“, no nosso grupinho eu nunca falei nada que eu gostava de garotos, eles nunca souberam e as brincadeiras continuavam, eles gostavam de passar a mão na bunda um do outro, em mim tambem,tinha um gostava de me encoxar, mas eu nao deixava, davam mordida no pescoço, mostravam o pau um pro outro, eu mesmo vi o pau e os pentelhos deles, gostavam de pegar no meu pau, abraçavam e beijavam, tomavam banho pelados juntos depois da educaçao fisica, se esfregavam um em outro enfim, altas sacanagens e datalhe, quase todos tinham namorada, eu não entendia nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu queria ter estudado nessa escola sua.

      Excluir
    2. Eu tbm li seu relato e não entendi nada, o cara é hétero e vive com essas brincadeiras, eu sou gay, e em hipótese alguma, dou mordidas, passo a mão ou deixo que uma mulher me passe, chega da calafrio! rsrs

      Excluir
  11. Comigo era ao contrario, era eu quem fazia o bullying.

    ResponderExcluir